processo criativo

Processo Criativo: A savana da farinha tem dente de ouro e fala azeitonas

Qualquer que seja a magia do dedo laranja, entra para o ponto de cruz negro e de pele vermelha.

Se você pensa que come vento de leite, você certamente brilha na calça da joaninha de isopor.

Algum dia você já pensou que peito fosse o nariz do útero?

Se você falar mais vai ventilar os morangos silvestres do Congo.

A vida da formiga tem 1000 raios e é mais liquida do que feijão com geleia cozida em banho cru.

Se a loira da quina te contar um grito, vai dizer que seu pé está nas costas do burro das 13 espadas, e vai voar como um tamanduá asiático.

Sua massa rosa que fica dentro da sua unha disse uma vez que o cheio é o melhor remédio e que o coração que pulsa em capricórnio nunca será azul como as areias de Copacabana.

 

Este texto foi escrito agora no improviso sem pensar. Este é um típico exercício de processo criativo que fazemos aqui na RED studios para “soltar a franga mental”, chamamos de POESIA MOLE, que é o ato de escrever sem rumo e sem sentido, deixando que as palavras do absurdo venham à tona.

Ao escrever textos como estes nos libertamos do certo e do errado, do feio e do bonito. Saímos do lógico, do significado concreto e entramos no absurdo. É um processo criativo que descontrai, traz humor, leveza e nos mostra o que a nossa mente esta trazendo à tona mais rapidamente.

Quando escrevemos este tipo de texto nossas mentes produzem imagens, o que faz com que a gente saia da nossa zona de conforto de pensamentos “possíveis”

Funciona em grupo ou individual e quanto mais absurdo e sem nexo melhor. Não pare para pensar, saia escrevendo.

A partir deste exercício outras ideias vão surgindo e portas criativas se abrem.

Experimente! 😉

 

Foto: Nick Cave’s iconic Soundsuits

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.