Como estimular a criatividade dentro da empresa

Há técnicas específicas para se estimular o aparecimento de ideias na empresa, especialmente quando há um problema definido a resolver. Desde que admitamos que é mais criativo formular perguntas certas do que encontrar respostas.

O maior confronto no processo criativo acontece entre o profissional técnico (absorção de conhecimentos formais, específicos) e o processo empírico (que nasce através do processo artístico ). O primeiro carrega o ingrediente que não pode existir no processo criativo que é o julgamento, onde submete os critérios baseado em seus padrões de conhecimento. Os “técnicos” muitas vezes carregam crenças e um caminhão de negativismo que bloqueiam o “novo” e que muitas vezes está já batendo na porta.

O segundo, o processo empírico relaciona uma mente ávida pelo impossível, pela abundância em possibilidades e por aprofundar filosoficamente questões cotidianas. Chamamos de  “o olhar do artista” que é a capacidade de ver, discutir e refletir além do que está manifestado. Não busca respostas, busca mais perguntas. Não há fim, somente processo.

Enquanto os “técnicos” buscam resultados práticos, os “artistas” buscam a melhor expressão do conceito, ajudam a provocar questões e a quebrar a zona de conforto.

Muitas empresas usam o Brainstorm para a geração de ideias, mas o verdadeiro Brainstorm acontece mesmo quando se inicia um processo empírico, imaginativo e sem julgamentos. E não acontece em uma sessão, é um processo que deve ser implementado como um software dentro de todas as empresas. Estimular a criatividade não é dar lápis de cor na mão das pessoas, é estimular o time a pensar criativamente. Não existe a hora de criar, criamos 24horas por dia, existe sim a hora de começar a pensar criativamente.

Estimular este processo dentro de uma empresa, é trazer ferramentas empíricas, humanas, espontâneas, imersão e observação em outros universos e exercícios para amplificar a imaginação de todos os funcionários, conectando o “técnico” ao “artista” e o”artista” ao “técnico”

A criatividade de uma empresa está desde Maria da limpeza ao CEO. O organismo é vivo e integral. O time criativo não é só a elite dos designers e publicitários, mas também mora em todos os funcionários deste organismo. Os técnicos são essenciais para o organismo vivo da empresa, pois trazem a academia, o conhecimento e os resultados. Mas é preciso que isto esteja integrado a um processo criativo maior, diário e abundante. Principalmente quando se tem um mapa de um propósito, um objetivo.

A criatividade deveria existir como um setor dentro de todas as empresas, assim como o financeiro, o RH, o MKT. Um setor que fosse responsável por garantir que todos os funcionários estão desenvolvendo a sua criatividade, que todos estão pensando e vivendo de forma mais criativa. O resultado disso é imediato. A criatividade não só ajuda a solução de problemas, mas também a motivação. Porém para resultados precisa de tempo. O cérebro humano processa dados desde que exista matéria-prima para que ele possa gerar automaticamente uma ideia, soluções imediatas e até evitar que problemas apareçam.

Um individuo que é o protagonista da sua criatividade se expressa melhor e inspira os outros.

Um grupo que se auto-estimula e se auto-impulsiona acaba se transformando em algo altamente positivo, quando as ideias novas, únicas e originais conduzem realmente a um desenvolvimento. Esse processo de pensamento integral funciona como um espiral. Pessoas que usufruem de pensamentos criativos diariamente, fornecem ideias e formas de ver o mundo que inspiram outras, através de interações espontâneas e estímulos crescentes. A consequência disso? O desenvolvimento humano e o da empresa.

 

 

Comments are closed, but trackbacks and pingbacks are open.